Saturday, July 26, 2008

Rotineiramente lindo

Amei esse poema:

video


"A idéia é a rotina do papel.
O céu é a rotina do edifício.
O inicio é a rotina do final.
A escolha é a rotina do gosto.
A rotina do espelho é o oposto.
A rotina do perfume é a lembrança.
O pé é a rotina da dança.
A rotina da garganta é o rock.
A rotina da mão é o toque.
Julieta é a rotina do queijo.
A rotina da boca é o desejo.
O vento é a rotina do assobio.
A rotina da pele é o arrepio.
A rotina do caminho é a direção.
A rotina do destino é a certeza.
Toda rotina tem a sua beleza."
(Campanha "Tododia" da Natura)

Quem disse que rotina não é legal? ;)

Thursday, July 24, 2008

It was about time


Longe de poder merecer o status de príncipe, agora pelo menos desencantou (putz, tava difícil de ele marcar! :P ).
Nilmar: dois gols (a zero!) no São Paulo.

Keep it up, babe!!! ;)

Tuesday, July 22, 2008

Smells Like Cinnamon Spirit

O piso do meu apartamento é lindo, de parquet, daueles antigos que tem um desenho diferente em cada peça, mas o tempo não foi muito amigo dele, não, então como em breve terei um roupeiro no meu quarto (Êêêêêê!!!! Woooooooooooo-hooooooooo!!!) e não precisarei empilhar - literalmente :P - as minhas roupas no quarto ao lado, resolvi mandar lixar e passar sinteco antes que detonassem com meu armário novo depois.

O findi, então, foi pra retirar os móveis de dentro do quarto, espalhá-los pelas outras peças do apartamento (que com isso virou aPERtamento) e me refugiar com o Milo na casa dos meus pais, e ontem chegaram os lixadores com suas super-máquinas. Eu, já apavorada com a sujeira infernal que uma lixação faz e com o fedorzão do sinteco que eu ia ter que encarar, fui dar plantão lá enquanto os homens trabalhavam. Foi aí que aconteceu [mais] uma agradável surpresa - o que aliás parece ser a tônica do momento na minha vida (se bem que hoje em particular estou meio cynical & disappointed em relação a isso, mas essa é outra história... :/ ):

Quando as máquinas começaram a funcionar, um cheiro diferente começou a vir do quarto. Era um perfume gostoso, familiar, de.... canela!!! Era um cheirinho fantástico, uma coisa meio surreal no meio de toda aquela bagunça. No primeiro intervalo que os lixadores fizeram eu fui lá xeretar e perguntei se o perfume era do piso lixado. Eles disseram, "É sim, dona. Esse piso é antigo, é dos bons. É madeira de canela."

Foi maravilhoso. Pena que não vai durar - hoje mesmo, quando eles começaram a calafetar as juntas com uma meleca de pó de madeira com sei-lá-o-quê ele já diminuiu, e quando passaram o sinteco então, vai sumir de vez. Mas fica pelo menos a lembrança do perfume e a recém-descoberta percepção de que durmo, ora vejam só, lying on cinnamon. ;)

Thursday, July 17, 2008

Friends Will Be Friends


I didn't know a post could cause such frisson: people e-mailing me to tell me off about how on earth I dare comparing them, long-time friends, to new-found people.

I WASN'T comparing. I was simply saying that these people I met in MySpace and I have become more than just names on each other's lists, that our messages have - in most cases - moved from those nonchalant "Nice work, keep it up" to conversations involving even - also, in many cases - personal life (their history, their tastes, common passions of ours). Just that.
No way I could compare people I've known for such a short time to others who have been through storms, rough weather, hell & high water with me. No way people that I know would - literally - walk on broken glass to help me (thanks John for the illustrative image ;) ) - and I for them for that matter - could compare to others whom I've never even SEEN except on a computer screen. Maybe some day I'll meet them in person, maybe some day I'll be able to say that we, too, have been through things together and shared things that make our friendship that special - and, as unlikely as it may sound, I believe it's possible - but for now, they belong in different levels.
There are friends and there are FRIENDS. The ones from MySpace are the first group, the ones I'm talking to here (and among whom some unfortunately got piqued by my using of the word) are obviously the second, but all of them, all of YOU are in my heart.

And, believe me, I've got a pretty big one in here. ;)

Wednesday, July 16, 2008

MySpace-ing


I confess: I joined MySpace. It was something I did on impulse but which ended up proving to be worthwhile. The story goes like this...

I was looking for some David Cook's songs to listen to while working at the computer - you all know I spend waaaaaay too much time in front of the monitor working on my thesis - and his page on that site came up when I "googled" for them. I checked it out and unlike myself I did something very fan-like: I decided to leave a message for the guy (not that he needed it, he must get MILLIONS of messages a day). The thing is that I thought, "What the hell, I'll just say something like 'All the best and lots of success' to show I've been here as I'd like people to do when they read my blog"" (and, YES, it's a complaint! :P ) and so I did it. However, to do so you have to register and get your own page, something like that. All right then, register, here we go... done. I made my profile page a bit later and that was when, out of the blue, requests to be my friend started to pop up (?!?!?!).

I went to verify who all those strangers who wanted to be my friends (how odd is that???) were and saw that most of them were musicians trying to make their work known to the highest number of people available. Nothing wrong with that, but I felt caught in the online version of the baseball card collectors competition, you know, "See, I've got more friends/fans than you... :P " , like a MySpace version of the saying "The more the merrier" (and, NO, David Cook doesn't fall into this category). I know it's something they HAVE to do in order to promote their music and get out of obscurity, but... I don't know, it bothered me somehow that they weren't inviting ME to be their friend, they were inviting just "someone".

Moreover, I hadn't joined the thing to ostentatiosly go around "Hey, I'm friends with (fill a famous name in here)" or to break records in friend-making, so I took a look at all those requests and accepted the ones I felt I did have something in common with, whether it was because I liked their music (the case of John Nathaniel, whom I've mentioned in a previous post, or Adam McInnis) or because besides that they were Brazilian (like Apoena or Necessidade Humana). To all of them I sent a short message to say "Hi", give my views on and opinion about their songs and wish them success. That was when a surprise came into the picture - and, ladies and gentlemen, the surprise was good... :)

All of thse artists surfaced from the flood of messages they receive every day (John I know for sure spends HOURS reading and answering his) and replied mine. And it wasn't simply a polite answer, they were personal replies, some even with questions for me, showing that beneath the image we see of them in YouTube videos and all there's a real person - and that realization was like a breath of fresh air in a world where image is everything and everybody fights for their 15 minutes of fame so desperately that they forget to be human. I can say now that I accepted those guys as friends expecting nothing, and they've given me a lot in return: they've restored my faith in people. I accepted them as friends not believing in the word being applied to describe them, but now I can unequivocally use it as I say their names, for that's what we've become after exchanging messages for some time. We've surpassed the stage of being mere aquaintances to reach that level.

No, I'm not boasting - this is not about whom I'm friends with. It's about what kind of friends I've met, and for me they are absolutely nonparell, peerless, really unique indeed, because they've turned MySpace into a place I long to visit every day, to see, listen and to talk to my friends.
PS: This post was written from top to toe in English in a homage to them and just in case they decide to stop by and pay me a visit here (the Brazilian ones have an upper hand because they know English too - and even some Spanish, no es asi, Apoena? ;) )

Wednesday, July 09, 2008

Fueled by music


Em um dos livros com que trabalho no curso de Inglês onde dou aula tem uma lição com um texto sobre o futuro no qual o autor diz que daqui a não sei quantos anos (acho que 50) haverá uma nova espécie de ser vivo na face da terra, o Homo Ciberneticus, pois as pessoas serão/estarão "equipadas" para conectarem seu cérebro diretamente ao(s) computadore(s). Essa imagem me dá arrepios só de pensar! Parece spookily similar ao filme Matrix, naquela parte que o Neo descobre como ele é de verdade e que tem umas "tomadinhas" no corpo pra se "plugar" na máquina... :P

Anyway, outro dia andando no Calçadão percebi que uma outra espácie de ser humano JÁ SURGIU, pelo menos aqui em Pelotas: o Homo Musicallis. Me vi de repente cercada, ali na frente da Hercílio, por nada menos do que cinco pessoas que estavam - TODAS ELAS - ouvindo seus mp3/mp4 players (ou iPods, sei lá. Pode ser que algum deles fosse chique... :P ). Ah, sim: myself included. Todas as cinco. Segui andando e passei por mais um monte de gente também portando/usando os mesmos inconfundíveis fiozinhos do lado da cabeça e fones embutidos nas orelhas. Alguns, como eu, murmurando baixinho a letra da música (na verdade, singing along, como todo/a vocalista frustrado/a), outros concentradíssimos em pensar na vida, mas todos com uma característica em comum: movidos pela música que toca(va) nos fones. Homo musicallis, cada um e todos nós.

Eu admito: sou VI-CI-A-DA em música. Não bastasse ter sempre algo tocando no CD player ou no computador em casa, ultimamente não consigo sair na rua sem o meu mp4. Sou literally fueled by music. Assim, gente, se passarem por mim, me chamarem e eu não ouvir, não é antipatia, não. É que a Musicallis aqui está em outro mundo, um onde estou, por exemplo, having "The Time of My Life" ou "Realize"-ing alguma coisa. ;)

Mirror image


Sometimes I feel just like this...

Courtesy of GoComics.com
Broom Hilda by Russell Myers - © 2008 Universal Press Syndicate

Tuesday, July 01, 2008

That's What Friends (and Fans) Are For...


Oi, pessoal! O post desta vez vai ser um pouquinho diferente... :)

Tem um amigo meu canadense, John Nathaniel, que é músico e está tentando conseguir que uma das músicas dele toque nas rádios dos EUA. Um dos jeitos de fazer isso é se a música dele tiver um número grande de acessos nesse site (é uma espécie de plataforma de lançamento para artistas novos e por ali eles medem a "popularidade" da pessoa...). Se ela for bastante acessada, os "olheiros" das rádios colocam a música no ar.

Sei que voês gostam de música e essa aí é uma baladinha bem legal, então vamos far uma mãozinha pro John e escutar a música dele? Basta ir em:

http://www.z100.com/cc-common/artist_submission/player.html?art=170785

O nome da música é Ever. Podem acessar sem medo, o link é seguro. às vezes antes da música começar a tocar dá umas propagandas, mas em seguida ela já começa.

O John e eu agradecemos e esperamos que vocês gostem do trabalho dele!
PS: Podem comentar aqui que depois eu repasso pro moço... ;)
PS#2: Se gostarem mesmo do som, dêem uma olhada na página dele no MySpace (clicar aqui). Lá tem mais músicas - a Stay é linda!.

Have a little patience

Aqueles que costumam passar por aqui sabem de um pequeno "defeito" deste site sobre o qual já comentei: se a gente faz o rascunho de um post, depois quando se efetiva a postagem ele aparece láááááá atrás, e não como se tivesse sido recém publicado.

Daí, galera, voltem um pouquinho porque depois do sobre o Tholl tem um post-bobagem cujo assunto, apesar de bobinho, volta e meia me aparece na frente.

E boa seman pra todos/as! :)