Sunday, March 30, 2008

Calling all angels

And so at the party at the Moon Sun (in Latin/Quechua) house I had this momentaneous temptation of switching one angel for another.

But then again it dawned on me that, though angels can sweep you off your feet, there's more to an infatuation than sensuous steps on a dance floor...

Saturday, March 22, 2008

Coming to my senses


Anos atrás - by the way, muuuuitos anos atrás... - li o livro O Perfume, de Patrick Süskind (sim, virou filme, mas nem me dei ao trabalho de ver porque sabia que NÃO TEM JEITO de um filme fazer o que esse livro faz quando se lê). Foi uma experiência nova em termos de leitura, pois até então descrições para mim estavam ligadas ao visual. Conforme o texto onde elas apareciam, eu via os cenários, personagens, a trama enfim. Mas com O Perfume Patrick Süskind conseguiu despertar em mim uma sensação nova, além da "visual": eu conseguia identificar cheiros.

Eu não chegava a sentir os cheiros, mas a descrição deles era tão perfeita que muitas vezes, lendo, eu dava aquele sorrisinho cúmplice do tipo "Yeah... I know what you mean...". Eu já havia sentido aquele cheiro antes, in real life, e tê-lo como integrante do cenário, quase como um personagem coadjuvante da cena, e poder reconhecê-lo, foi demais. Nunca esqueci aquele livro, pois me levou a um novo sentido através da leitura.

Ontem, então, fui lembrada de outro autor que também faz isso, só que com o GOSTO das coisas: Ernest Hemingway. Assistindo Cidade dos Anjos no Warner Channel, Nicolas Cage lê este trecho de Paris é uma festa (A Moveable Feast, no original) para Meg Ryan (e prometo não comentar nem sobre o filme nem sobre esses dois, apesar de estar ME MORDENDO para fazê-lo):

"As I ate the oysters with their strong taste of the sea...and their faint metallic taste... and I drank their cold liquid from each shell... and washed it down with the crisp taste of the wine...I lost the empty feeling...and began to be happy."

(Não é tão preciso quanto o Süskind, mas ainda assim é muito bom.)

Mais adiante, no filme, Cage pede a Meg Ryan que descreva o gosto de uma pêra (Ha! Eu conferi: tem acento, sim! Manual de redação da PUC/RS) e ela declama esta preciosidade (kuddos para o roteirista que escreveu!):

"Sweet... juicy.
Soft on your tongue.
Grainy... like sugary sand that dissolves in your mouth."

Era isso: a descrição perfeita. Eram as pêras da casa da minha avó (as mesmas que nunca mais alguém vai comer porque a praga de empresa que alugou o casarão CUT DOWN THE TREES! :S ). Eram as pêras que eu e a Sílvia (minha melhor amiga/quase irmã) colhíamos na minha casa do Laranjal (hoje já vendida, e nem sei se as pessoas mantiveram as árvores lá. Acho que não.) e jogávamos para cima da figueira centenária da esquina, onde os guris da nossa turma estavam empoleirados numa tree house que eles mesmos tinham construído. Eram as pêras que até hoje só eu compro (nem minha mãe, meu pai ou meu irmão o fazem) para sentir esse exato gosto e então, de alguma forma, transported by the senses, win over space and time, and once more live all these precious moments again.

Tuesday, March 18, 2008

Flor por flor, não vi e nem quero ver


É bem isso. Não vi ainda essa série nova que vai estrear no Warner Channel, Pushing Daisies, e nem quero ver.

Acontece que, apesar da produção visual ser bem interessante e da proposta da trama ser até um tanto unusual - o cara é capaz de reviver alguém que morreu, apenas com o pequeno "senão" de não poder nunca mais tocar na pessoa -, o ator principal (esse aí do lado) com seus prováveis 1.90 m de altura, sorriso perfeitinho e carinha de bom moço me lembra MUITO alguém que eu estou EXTREMAMENTE pissed off at. Muito. Demais pro meu gosto mesmo.

Então, por mais que eu seja uma addicted to TV series, não vai rolar. Bah, não mesmo. Pelo menos até que o tal alguém que parece o do Pushing Daisies apareça outra vez aqui em casa trazendo de novo um lindo vaso de Tiger Lilies.

Music from the heart

He plays Beethoven's Moonlight Sonata mvt. 3.

I "play" (and dance) Rachmaninoff's Piano Concerto No. 2 in C Minor mvt.3.

Another of our common languages, and with its pure magic at least MUSIC still keeps us in touch, and I can, in my unique and peculiar way, tell him that "Ich denke dass ich liebe dich, mein Schatz"...

Curtain call


It's really nice to live right next to a theater.

You can listen to all kinds of music. It's there, invading the apartment through the windows, floating around you. You can just sit (or not!), listen and dream.

There's classical music, of course, and, depending on the program, you can go ballet-ing around the rooms, re-living the curtain calls of your life.

There's rock, and you can sing along "Have you ever seen the rain..." or "Hurt so good / Come on baby, make it hurt so good / Sometimes love don't feel like it should / You make it... hurt so good" in honor of the good ol' Tulha times.

There's MPB, and then you pray that nobody has the "brilliant" idea of resuscitating Te Devoro (Djavan), be it in its original version or - even worse! - in some new pagode recording.

There's "gauchesca", and for some unknown reason you get touched by verses like "Ouve o canto gauchesco e brasileiro / Desta trerra que eu amei desde guri" or "É o meu Rio Grande do Sul, céu, sol, sul, terra e cor...".

There's jazz and Gershwin and Cole Porter and Glenn Miller for you to wonder why the hell there's no time machine to transport you to that time when people really DANCED, cheek to cheek, heart to heart, swirling around ballrooms.

There's tango, and Al Pacinos and Richard Geres and Antonios Banderas to sweep you off your feet in some passionate imaginary pas-de-deux.

It's there, music, always.

You simply open the window of the laundry room, sit in the kitchen with a glass of ice cold champagne (or wine, whatever you feel like having) in your hand, look out at the full moon in the sky and listen to the score of Fascínio - Todo Tango (which you've watched half a dozen times but never get tired of) being played, feeling as if you were in there. (picture above. Courtesy: Rebeca Recuero)

Anf if it's a play and there's no music, it doesn't matter:

You go to bed, rest your weary head on your pillow and in the end you'll have it anyway, your curtain call, your round of applause to send shivers down your spine. And then once more you'll feel like Elis Regina described in the last sentence of her last concert, Trem Azul:

Monday, March 17, 2008

Como diria Garfield...


I hate Mondays.

Hoje foi uma "daquelas".

Péssima notícia, assim, logo de cara, ao abrir o Orkut de manhã. :/

Then, à tarde, meu aluno VIP me deu bolo e "esqueceu" de avisar que não iria (traduzindo: mais de 20 minutos MOFANDO na secretaria).

E, on top of all, la crème de la crème: the angelical light that had been blessing my days lately won't do it anymore.

OK, Monday, you can go home now. I'm done for today.

Sunday, March 16, 2008

Really??? Woo-hoo!!!


Ziggy by Tom Wilson & Tom II - ©2008 Ziggy and Friends, Inc.
Courtesy of GoComics.com

Wednesday, March 12, 2008

Infatuation

Forget everything I had said before in this post. Forget all about it.

He's gone.

Sunday, March 09, 2008

Trashing it all

Wish I could do that... ;)



Ziggy by Tom Wilson & Tom II - ©2008 Ziggy and Friends, Inc.
Courtesy of GoComics.com


Monday, March 03, 2008

Sai da frente, Edu Guedes...

... porque a Ana Maria Braga eu já alcancei. ;)

Então, não dizem que o visual é tudo? Check it out...

Menu:
* Salada de triguilho, ricota, cenoura & vagem sobre alface crespa
* Decoração: tomates-cerejas (eu sei, soa horrível, eu bem que preferia tomatES-cerejA, mas o duplo plural é o que dita a senhora gramática da Língua Porutguesa... :/ ) + salsa & cebolinha verde salpicadas
* Prato quente: projeto de yakisoba (porque foi sem os legumes)

Isso é o que eu chamo de leftovers com classe... :P

PS: Edu Guedes at http://www.eduguedes.com.br/edu/index.php porque não dá pra colocar linnks no título... :S

Sunday, March 02, 2008

Qualquer semelhança...

Broom Hilda by Russell Myers - ©2008 Tribune Media Services, Inc.
Courtesy of
GoComics.com

PS: If the image is too small for you to read, click on it!

Saturday, March 01, 2008

Tem um douradinho desses aí pra mim?

Tô babando até agora. Pelas mais variadas razões imagináveis possíveis. ;)
Enjoy it (or them, whatever).


video